PRESSÃO POPULAR FAZ PROJETO DO "POLIAMOR" SER RETIRADO DE PAUTA



FOTO:INTERNET

Depois de sites de notícias independentes terem sido acusados de fake news ao alertar sobre o Projeto de Lei (PL) nº 3369/2015, no final do dia 20/08 o relator do PL solicitou a retirada do projeto da pauta da Comissão que iria debatê-lo no dia 21/08 (hoje).


O comunicado foi veiculado no site da Câmara dos Deputados às 19h24 do dia 20 (véspera da pauta), assinado pelo presidente da Comissão de Direitos de Direitos Humanos e Minorias.

Na nota o presidente da Comissão alega que o projeto de lei foi mal interpretado, mas admite que o projeto de lei irá passar por “aprimoramento de sua redação“.

O PL 3369/2015 foi visto por seu antigo relator, o então deputado Jean Wyllys, como pertinente ao “reconhecimento da ‘União Poliafetiva‘, formada por mais de um convivente” (grifo nosso), ao fazer um requerimento em 2016 que citava o PL. Mas nesta semana, assim que o portal Estudos Nacionais publicou uma notícia da pauta da Comissão informando que a matéria tratava de questões como “Poliamor”, defensores do projeto de lei, incluindo o autor do PL, começaram a acusar este e todos os sites que republicaram a notícia de estarem fazendo fake news.

Fake news e a verdade: a interpretação da redação do PL por parte do próprio ex-relator, dep. Jean Wyllys, em 2016, e agora, a retirada do PL da pauta para “aprimoramento de sua redação” mostram que o episódio não se tratou de uma fake news da parte de quem afirmou que o PL antes em pauta discutiria “poliamor”, com termos “incluindo seus filhos” ao final do mesmo parágrafo. A produção de fake news foi, neste caso, da parte de quem, por desconhecimento ou interesse político, tentou afirmar o contrário do que o próprio ex-relator do PL, Jean Wyllys, havia manifestado que o projeto pretende.

O PL continua na Câmara, embora sem agenda definida para ser debatido em Comissão. Aos interessados, recomenda-se acompanhar a pauta e aguardar para ver como será a nova redação do PL no futuro.

Com Informações do Estudos Nacionais



Postar um comentário

0 Comentários