EM FASE DE TESTE, ÔNIBUS AUTÕNOMO VAI CIRCULAR NA ESPLANADA DOS MINISTÉRIOS

Foto:CB/

O projeto piloto do veículo sem motorista é uma parceria entre o GDF e uma empresa do Vale do Silício, nos Estados Unidos


Há 59 anos, Brasília impressionou o mundo com seu ambiente moderno e a ousadia do projeto. A criação de uma cidade inteira, no meio do Planalto Central, em apenas cinco anos, desafiou os conceitos de arquitetura e urbanismo. Agora, a cidade, mais uma vez, pretende encarar um desafio para manter a fama de ter cenário futurístico. O governo do DF lançou plano para fazer da capital federal a primeira cidade inteligente da América Latina. Nos próximos meses, moradores terão a oportunidade de conhecer e entender os benefícios da inteligência artificial. O passo revolucionário será no transporte urbano terrestre. O GDF pretende colocar um ônibus autônomo, ou seja, que se desloca sem a necessidade de motorista, para levar passageiros que passam todos os dias pela Esplanada dos Ministérios.
As negociações em torno do primeiro coletivo autônomo do DF estão em andamento. A empresa responsável por implantar o projeto piloto está localizada no Vale do Silício, nos Estados Unidos. A região é o berço da informática moderna, deu origem à computação como se conhece hoje e continua inovando para transformar a humanidade nas próximas décadas. Após o desenvolvimento dos microcomputadores, da internet, do avanço da fibra ótica e dos softwares para usuários, as grandes empresas de tecnologia se concentram agora na interação da rede de computadores com outros objetos que fazem parte da vida das pessoas.

A comunicação entre o computador, a geladeira, a televisão e as luzes de uma casa já é uma realidade. O próximo passo é criar um sistema de transporte inteligente, que evite acidentes, faça o fluxo de veículos fluir sem entraves e dê tempo para que o usuário aproveite a viagem para pensar, ler e se divertir. Quando projetou a capital, na década de 1950, o urbanista Lúcio Costa não imaginou que as ruas largas seriam perfeitas não apenas para os próximos 60 anos, mas também para os próximos séculos. O trecho plano, com poucas curvas e vias espaçosas da Esplanada, é o cenário ideal para o teste do ônibus. A cidade resolveu antecipar previsões de especialistas. Um  estudo da Rethink X mostra que, até 2030, cerca de 95% de cada quilômetro rodado será por um veículo autônomo.

O contrato com a empresa que desenvolve o coletivo deve ser fechado nos próximos 60 dias. Em seguida, o ônibus será trazido para Brasília. O secretário de Ciência e Tecnologia de Brasília, Gilvan Máximo, destaca que esse será apenas o começo de uma proposta a ser levada para todo o DF. “Os próximos encontros servirão para conhecer a tecnologia. Será um projeto piloto para avaliar a expansão posteriormente. O ônibus será completamente autônomo, sem a necessidade de motorista ou qualquer outro funcionário. O software já foi desenvolvido, e o trajeto simples da Esplanada é ideal para testá-lo”, conta.

Máximo diz que não está autorizado a revelar o nome da empresa escolhida, até que o contrato esteja fechado. Mas o coletivo deve começar a circular ainda neste segundo semestre. “Não estamos medindo esforços para avançar nessa tecnologia. Vamos ser a primeira cidade a testar a internet 5G, que é muito mais rápida do que a comum. Câmeras inteligentes, de reconhecimento facial, serão espalhadas pela cidade. E tudo isso estará interligado para mudar a rotina dos moradores do DF”, frisa.

Colocar um carro de passeio autônomo nas ruas já é um grande desafio. Ao avaliar a situação na perspectiva de um ônibus, preparado para transportar até 100 pessoas, é possível perceber que o planejamento tem de ser ainda mais preciso. O analista de sistemas de informação Ruan Carlos, especialista em inteligência artificial, destaca que não pode haver falhas na tecnologia, sob o risco de causar acidentes. “O processamento das informações colhidas no trajeto não ficará no próprio ônibus, mas, sim, na nuvem. O acesso à internet precisa ser muito bom. Nessa comunicação, existe um tempo de latência (tempo de transmissão da informação), que deverá ser muito rápido”, ressalta. “Não pode ocorrer falha. Se uma pessoa se joga na frente do ônibus, a câmera vai identificar que existe o objeto e envia a imagem ao servidor. E o servidor precisa responder identificando que se trata de uma pessoa. Assim, o coletivo agirá para evitar um acidente.”

Veículos elétricos

As mudanças no trânsito do DF, neste segundo semestre, prometem abrir espaço para um caminho sem volta rumo ao que existe de ponta na tecnologia global. A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e o GDF fecharam uma parceria que vai disponibilizar 16 carros do modelo Twizy, da marca Renault, para serem usados por servidores distritais. O número de veículos pode aumentar após a implantação do projeto inicial. Ao mesmo tempo, o DF terá 35 eletropostos, que podem abastecer qualquer veículo elétrico.

Para incentivar o uso dessa tecnologia, que deixa para trás o combustível fóssil e o impacto ao meio ambiente, os pontos de recarga poderão ser usados sem custo pelos usuários. A cidade será um laboratório a céu aberto para revelar como a tecnologia pode melhorar a mobilidade urbana. Com a troca de parte da frota, o governo espera economizar até R$ 10 milhões por ano em manutenção e combustível.
O presidente da ABDI, Guto Ferreira, afirma que a cidade vai contribuir com a evolução dos meios de transporte, além de abrir caminho para o ingresso da alta tecnologia no dia a dia das pessoas. “É muito importante demonstrar as soluções em ambiente real, numa cidade com características que permitam a avaliação dos resultados para a população e para a indústria associada”, diz. “E, entre as soluções, o compartilhamento de veículos elétricos se encontra em fase mais madura, com testes sólidos no Parque Tecnológico e na Itaipu Binacional. A ABDI tem como objetivo mudar o pensamento da nossa sociedade para que as novas tecnologias tenham mais aderência. O compartilhamento de veículos elétricos é uma delas, é o futuro da nossa mobilidade.”

Salto tecnológico nas ferrovias

A tecnologia está transformando a forma como os trens trafegam pelos trilhos. Sistemas de comunicação inovadores, softwares de previsão e monitoramento, detectores de trilhos e aplicativos tornaram mais eficazes e rápidas as avaliações e os reparos de segurança da ferrovia.
Arnaldo Soares, gerente-geral de Engenharia de Transportes da MRS (Malha Regional Sudeste), ressalta o que já é realidade na ferrovia. “Locomotivas passaram a ter eletrônica embarcada, com motores de corrente alternada. Existem detectores de descarrilamento, para paralisar a composição quando identificado o problema. O controle é remoto”, conta. Até o fim do ano, a empresa deve implantar automação onde os perfis dos trilhos têm muitas rampas. “O trem é feito para terrenos mais planos”, explica. A MRS também tem projeto de transformar a operação nos pátios adjacentes por controle remoto.
foto:internet

“Parece que a ferrovia tem baixa tecnologia agregada, mas, na verdade, estamos dando saltos. Conseguimos passar de 40 milhões de toneladas, em 1996, para 175 milhões no ano passado, na mesma linha de 1,6 mil quilômetros, graças à implementação tecnológica para aumentar produtividade, processos de trabalho e segurança”, afirma.

A MRS usa um sistema pioneiro, chamado Comunication Basic Train Control (CBTC),  um circuito ao longo de toda a ferrovia que faz a supervisão do que está ocorrendo. “Se o maquinista estiver fazendo errado, o sistema toma o controle”, frisa. A companhia tem vários laboratórios. “Só inovando para conseguir ganhos”, ressalta. Outro projeto, o Trip Optimizer, está sendo validado. “No trajeto, o Trip opera de forma autônoma, com foco em economizar combustível, mas precisa de ajuste.”

Redução de ocorrências

Além da MRS, empresas como Rumo e VLI apostam em inovação. Na Rumo, softwares de previsão e monitoramento conseguem antecipar complicações e reduzir ocorrências em todas as malhas. A empresa inovou patenteando projetos como o Detector de Trilhos Quebrados (DTQ) e o aplicativo Chave na Mão, que tornaram mais eficazes e rápidos avaliações e reparos de segurança da ferrovia. “O DTQ é uma tecnologia inédita no Brasil. O aparelho é instalado em trechos de até 8km. Quando o trem passa pelos locais monitorados, as condições dos trilhos são repassadas para o Centro de Monitoramento de Redes. Se for identificada uma anomalia no trilho, o maquinista é informado em tempo real, eliminando o risco de descarrilamento”, informa a Rumo.

A VLI, por sua vez, tem um plano estruturado de transformação digital com mais de 100 iniciativas em desenvolvimento. “Temos sistemas de alta complexidade, dinâmicos e com um volume crescente de variáveis em tempo real. Ao empregar novas tecnologias, como o uso de inteligência artificial e machine learning, conseguimos processar dados com agilidade e tomar decisões baseadas em evidências e em cenários melhores”, explica. 

Obstáculos aos avanços no Brasil

As pesquisas na área de veículos autônomos não são novas, mas a aplicação prática para os projetos ganharem escala comercial ainda encontra obstáculos no Brasil. O caos do trânsito e a legislação vigente emperram o avanço de carros, ônibus e caminhões autômatos. Na visão de especialistas, é questão de tempo para tomarem as ruas. Mas a revolução que a inteligência artificial provoca nos transportes não se limita ao modal rodoviário e às alternativas de mobilidade. A inovação também está sobre trilhos, entre as nuvens, flutuando nas águas e atracada nos portos.

As pesquisas na área são desenvolvidas há mais de 20 anos. Países como Estados Unidos, França, Japão e Alemanha investem pesado para reduzir o número de acidentes e tornar o fluxo no trânsito mais eficiente. O professor André Monteiro, especialista em desenvolvimento de soluções em inteligência artificial do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), afirma que a tecnologia é cada vez mais popular em termos globais. “No Brasil, tem a questão legislativa, por isso a demora”, justifica. “Além disso, a computação é complexa para o veículo tomar a decisão acertada no trânsito, e tudo passa pela conectividade. Os equipamentos têm cada vez mais capacidade para coletar dados, mas a rede disponível ainda não é ideal. A conexão tem de ser muito eficaz”, acrescenta.

Apesar de parecer coisa do futuro, o desenvolvimento na tecnologia de carros autônomos começou em 2007 no Brasil. Dois anos depois, o Laboratório de Computação de Alto Desempenho (LCAD) da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) começou o projeto Iara (Intelligent Autonomous Robotic Automobile), liderado pelo professor Alberto Ferreira de Souza. Inicialmente, eram estudos de visão computacional e robótica móvel em ambientes simulados e dados de sensores reais, em tarefas de mapeamento, localização, detecção e reconhecimento por meio de imagens de câmeras.

Em 2012, um carro Ford Escape Hybrid foi adaptado para permitir o controle do sistema de acionamento de volante, acelerador, freios, entre outros dispositivos do veículo, por meio de sistemas computadorizados desenvolvidos pelo projeto Iara. Desde então, as pesquisas avançaram bastante, e Iara está cada vez mais completo.

O professor explica que a aplicação prática esbarra no Código de Trânsito Brasileiro, que determina que o motorista precisa estar com as duas mãos no volante.

O pesquisador também está desenvolvendo projeto para BRT autônomo, ônibus que usa pista exclusiva. “O grande gargalo é o caminhão, mas a tecnologia está pronta. Até o fim de 2020, estará operando um caminhão autônomo para a Vale usar em local interno”, antecipa. 

Projeto


O Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo (ICMC-USP), câmpus São Carlos, também tem projetos de veículos autônomos coordenados pelos professores Denis Wolf e Fernando Osório, ambos do Laboratório de Robótica Móvel do ICMC. O projeto Carina (Carro Robótico Inteligente para Navegação Autônoma) foi desenvolvido para navegar em ambientes urbanos sem a necessidade de um condutor humano. Em 2013, houve uma demonstração pública de navegação autônoma nas ruas de São Carlos.

“Para que a autonomia funcione, é necessário que os algoritmos desenvolvidos sejam rápidos o suficiente a fim de o computador tomar decisões corretas em curto intervalo de tempo”, explicam os pesquisadores. A universidade também desenvolveu, em parceria com a Scania, um protótipo de caminhão autônomo, fruto de convênio de cooperação tecnológica firmado em 2013 entre a montadora sueca e o ICMC. Ao todo, foi destinado ao projeto R$ 1,2 milhão, e a Scania disponibilizou dois caminhões para a realização da pesquisa. 


Inovações nos portos


A velocidade nas operações de embarque e desembarque de cargas nos navios é fundamental, por isso, reduzir o tempo que as embarcações ficam paradas nos portos é alvo de pesquisas contínuas. Em Cingapura, já existe um porto totalmente automatizado. No Brasil, isso ainda não é realidade, mas a tecnologia avançou muito, tanto nos navios quanto nos terminais, explica Murillo Barbosa, presidente da Associação dos Terminais Portuários Privados (ATP).

A inteligência artificial e navios autônomos passam por fase de experiência para redução de gás carbono e economia de combustível. “Já estão em teste na Alemanha. No Brasil, ainda não estamos tão evoluídos, mas existem inovações importantes”, diz. A Portonave, que opera em Navegantes (SC), substituiu todos os guindastes que fazem a movimentação nos pátios, antes a diesel, por veículos elétricos.

Segundo a empresa, com a implantação do sistema Busbar System (barramento de transporte de energia), 18 equipamentos passaram a ser alimentados com energia elétrica, com investimentos de R$ 25 milhões. “Com o projeto, foi observada uma redução anual em torno de 87% das emissões dos gases de efeito estufa (GEE).”

A cabotagem de madeira realizada na região sul da Bahia, pela Suzano Celulose, opera com sistema pioneiro. Desde 2018, a operação conta com guindastes gigantes, substituindo máquinas carregadeiras de pequeno porte que precisavam entrar na barcaça. Foram investidos mais de R$ 60 milhões. O novo modelo é responsável por dobrar de 25% para 50% a participação no abastecimento de madeira da fábrica de celulose em Aracruz. “São contribuições importantes para o setor”, assinala Murillo Barbosa.
foto:internet

Aeronaves futuristas

Da indústria aeronáutica saem as tecnologias mais modernas, que resultam em aplicações presentes no cotidiano. No Brasil, a Embraer é responsável pelos projetos mais inovadores. A EmbraerX, subsidiária para negócios disruptivos da companhia, foca esforços colaborativos para ativar e acelerar a mobilidade urbana.

A empresa apoia o desenvolvimento de um ecossistema colaborativo permitindo que as pessoas imaginem um mundo em que os veículos elétricos de decolagem e pouso vertical (eVTOL) farão parte do dia a dia. Em parceria com dezenas de controladores de tráfego aéreo, acadêmicos, pilotos e especialistas do setor, a empresa publicou o “FlightPlan 2030”. O projeto propõe uma visão baseada em procedimentos para um novo paradigma de gerenciamento de tráfego aéreo com vistas ao futuro da indústria de mobilidade aérea urbana.

“A mobilidade aérea urbana evoluirá para se tornar um meio de transporte significativo na próxima década e exigirá um ecossistema verdadeiramente colaborativo”, ressalta Antonio Campello, presidente da EmbraerX. “Nosso conceito de Gerenciamento de Tráfego Aéreo Urbano (UATM, na sigla em inglês) garante acesso equitativo e seguro ao espaço aéreo urbano para um amplo espectro de aeronaves, incluindo helicópteros convencionais, aeronaves de asa fixa e eVTOLs. O FlightPlan 2030 apresenta o que acreditamos serem os primeiros passos necessários em direção às capacidades autônomas.”

O novo conceito foi apresentado durante o Uber Elevate Summit 2019, em Washington, nos Estados Unidos, em junho deste ano. O evento reuniu uma comunidade global de fabricantes, investidores e representantes governamentais com o objetivo de tornar realidade a mobilidade aérea urbana compartilhada.

A companhia também anunciou uma parceria entre Embraer e WEG, duas das maiores exportadoras de produtos manufaturados de alta tecnologia do Brasil. Elas divulgaram acordo de cooperação científica e tecnológica para desenvolvimento de soluções capazes de viabilizar propulsão elétrica em aeronaves. O objetivo é aumentar a eficiência energética desses veículos a partir da integração de motores elétricos.

fonte; Correio Braziliense

Postar um comentário

0 Comentários