A´POLÊMICA DOS CARROS EXCLUSIVOS NO METRÔ


Adicionar legenda

No DF, mães evitam andar em vagão exclusivo do metrô com os filhos

Mulheres preferem usar espaços comuns do transporte para não passarem por constrangimento na área restrita a passageiras e deficientes


As usuárias do metrô no Distrito Federal têm aberto mão de um dos principais direitos conquistados pelas mulheres no transporte público local: o vagão exclusivo para passageiras e pessoas com deficiência. Isso devido ao medo de se tornarem vítimas do constrangimento vivido pela vendedora Julia Silva, 45 anos, que, no domingo (18/2), foi expulsa da área restrita porque estava com o filho de 11 anos. Assim, elas se veem forçadas a enfrentar os percalços dos vagões comuns.
“Evito entrar no carro exclusivo com meu filho, de 8 anos, porque vejo, com frequência, passageiras reclamando de mães que entram com as crianças. Eu ficaria triste se passasse por situação assim”, explica a vendedora Enislene Alves, 32 anos, moradora de São Sebastião. Um episódio testemunhado por ela no vagão exclusivo reforçou ainda mais a opção pelo setor comum.
“Vi um rapaz, que aparentava ser adulto e ter condição especial, entrar acompanhado da mãe. Logo em seguida, as passageiras reclamaram e pediram a saída deles. A mãe teve de mostrar um documento comprovando que o filho tinha deficiência para não ser forçada a sair."
Enislene Alves, vendedora


Enislene costuma usar o transporte público acompanhada do filho Danilo Barreira Alves, de 8 anos. Apesar de manter distância do vagão exclusivo, ela minimiza a presença de meninos nessa parte. “Não há problema, crianças são inofensivas. Mas não concordo com adolescentes, a partir de 13 anos, nesse trem”, avalia.


A dona de casa Kelly Vasconcelos (foto em destaque), 36 anos, também prefere se locomover pelos vagões comuns com o filho Lucas Vasconcelos, 8, ainda que ambos tenham direito ao setor. “O Lucas é criança e cadeirante, mas, mesmo assim, tenho medo de sofrer constrangimentos”, justifica. Nos horários de pico, nos quais os vagões comuns ficam abarrotados, ela e o filho se sentem incomodados, acrescenta a mulher.


A recepcionista Cristiane Fagundes, 41, também evita o vagão exclusivo quando está com o filho Paulo Henrique Fagundes, 10, e engrossa o coro de críticas a quem tente expulsar mulheres em condição semelhante. “Por não haver idade limite, acho erradíssimo retirar do vagão uma criança nessa faixa etária”, analisa.

Projeto de lei
A deputada distrital Celina Leão (PPS) protocolou, na última terça-feira (20/2), projeto de lei que autoriza meninos a usar vagões exclusivos do Metrô-DF. A medida ocorre dois dias após a vendedora Julia Silva e os filhos, um de 11 anos e uma de 3, serem expulsos do espaço restrito do transporte público.


A matéria propõe alteração na Lei Distrital nº 4.848/2012. No texto, seria liberada a presença de crianças de até 12 anos incompletos acompanhadas dos responsáveis no vagão rosa disponibilizado pelo Metrô-DF.

Expulsão
No domingo, Julia Silva se sentiu humilhada depois que ela e os filhos foram forçados, por uma funcionária do Metrô-DF, a deixar o vagão exclusivo. De acordo com a segurança, o menino não poderia estar na área restrita.

Em nota, o Metrô-DF confirmou o caso e afirmou: “A funcionária em questão agiu de acordo com a Lei Distrital nº 4.848/2012”. Ainda segundo a companhia, a segurança não descumpriu nenhuma norma interna.

Apesar disso, o Metrô-DF afirmou que permitirá crianças de até 11 anos, acompanhadas das mães, a seguirem viagem no carro exclusivo para mulheres e pessoas com deficiência. A estatal vai orientar os empregados a autorizar o acesso delas.

Por fim, a empresa pontuou não haver limite de idade para uso do carro. “Bem como aqueles homens que estejam acompanhando pessoas com deficiência. O fato envolvendo a retirada de uma criança de 11 anos foi isolado”, assegurou.


Fonte: Metrópoles
COMPARTILHAR:

+1

0 Response to " A´POLÊMICA DOS CARROS EXCLUSIVOS NO METRÔ"

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial